Expondo para a Direita

Atualizado: 29 de Jan de 2021

A técnica de expor para direita (em inglês, Expose To The Right - ETTR) é simples de se executar e traz como benefícios a maximização da informação tonal e uma diminuição do ruído presente nas áreas de sombra.



Expor para a direita (sigla ETTR em inglês - Expose To The Right) é o ato de superexpor levemente uma foto de modo que o histograma fique o máximo possível para a direita, mas sem estourar os brancos. A técnica de expor para a direita é geralmente usada em fotografia de paisagem, mas também pode ser utilizada (com muita cautela) em outros tipos de fotografia.


Qual o objetivo dessa técnica, se podemos fotometrar normalmente? Bem, o objetivo é captar a maior quantidade possível de luz sem causar estouro nas altas luzes, alcançando, assim, cores mais vivas, gradientes mais suaves e menos ruído, tudo isso devido ao melhor aproveitamento da luz pelo sensor da sua câmera.



Como assim melhor aproveitamento pelo sensor? É que as câmeras digitais distribuem a luminosidade de forma linear, capturando e guardando mais informações nas áreas mais claras e menos informações nas áreas mais escuras. Essa é uma característica dos sensores de nossas câmeras, sendo que alguns deles são melhores que outros em capturar informação das áreas mais escuras.


Determinados sensores são capazes de captar muita informação nas áreas de sombra, mesmo com uma exposição normal ou até escura (subexposta). Eles são os que geralmente possuem maior alcance dinâmico, conseguindo captar informação numa gama muito grande de luminosidade. Câmeras equipadas com chips assim podem clarear as sombras sem introduzir muito ruído (ou praticamente nenhum ruído). Este é o caso, por exemplo, da Nikon D850, da Pentax 645Z e de outras câmeras de médio formato.


Entretanto, existem outros sensores que, devido ao menor alcance dinâmico, enfrentam uma maior dificuldade para captar informações nas sombras. Este é o caso, por exemplo, da Canon 5D Mark III, Canon 7D Mark II, Canon 70D, etc (Modelos mais recentes como 5D Mark IV e 80D, por exemplo, já não sofrem mais desse mal que era comum nas câmeras Canon). Então, usar a técnica de expor para a direita, nesses casos, seria especialmente útil, pois ajuda a compensar por essa deficiência.


"Tá, entendi, mas então como eu faço isso de expor para a direita?" A técnica é bem simples e se divide em dois momentos: 1) o da captura; e 2) o da edição.


No momento da captura, faça uma foto mais clara do que a câmera recomenda. O quão mais clara vai depender da cena. Existem cenas em que será possível adicionar, no máximo, 0,3 EV à fotometria recomendada pela câmera. Já outras situações permitirão superexpor em 1 EV ou mais.


O mais importante, porém, é acompanhar esse processo pelo histograma de sua câmera. Após fazer cada foto, use o histograma para checar se não houve algum estouro nas altas luzes. Se você ainda não configurou sua câmera para mostrar o histograma, esse é o momento. Como cada câmera tem menus diferentes, consulte o manual de instruções de seu equipamento para saber como fazer isso.


No segundo momento, quando for editar sua foto, você precisará normalizar a exposição, ou seja, retirar o valor EV que você adicionou na hora da captura. Depois de feito isso, você poderá continuar normalmente com a edição, contando com um arquivo rico em informação tonal.


Então, agora que sabemos que quanto mais para a direita estiver o histograma, mais informação estará contida em seu arquivo RAW, vamos a um exemplo da técnica de expor para a direita.



Essa é a foto antes da edição. Está superexposta em 1 EV. Eu fotometrei 1 diafragma (1 ponto) além do que a máquina indicava. Como eu estava acompanhando o histograma da câmera, eu pude superexpor sem estourar as altas luzes. Posteriormente, o histograma do Lightroom confirmou o que eu tinha visto de forma aproximada na câmera. Eu digo de forma aproximada porque o histograma da câmera não é tão preciso quanto o do Lightroom, já que o do Lightroom é baseado no arquivo RAW, enquanto que o da máquina é baseado num pequeno arquivo JPEG embutido no arquivo RAW.



Veja como uma enorme parte da informação tonal está localizada no lado direito do histograma. Na prática, isso significa que, se quisermos clarear as áreas de sombra, poderemos fazê-lo sem adicionar ruído à imagem.


O próximo passo é normalizar a exposição. Então, se eu adicionei 1 EV na hora da captura, na hora da edição eu terei que remover 1 EV. E foi isso que eu fiz ao entrar com o valor -1,00 no deslizante "Exposição" do Lightroom, como se pode ver na imagem abaixo.



Depois de normalizada a exposição, basta prosseguir aos outros ajustes. Como resultado no exemplo dado, consegui uma foto com cores bastante vivas, muito pouco ruído no céu e um contraste forte aplicando apenas uma leve curva de tons. Não precisei usar Claridade, nem mexer nos pretos e brancos para otimizar o contraste, nem usar muito o Vibração. Tudo isso se deve ao fato de haver mais informação tonal neste arquivo RAW do que haveria se eu usasse a exposição normal.



Agora que você conhece a técnica de expor para a direita, use e abuse dela em suas fotos de paisagens. Assim você terá um arquivo muito mais rico em informações com que trabalhar. Para outros tipos de fotografia ela também pode ser útil, mas é preciso ter cuidado extra para não estourar detalhes que não podem ser perdidos (como a renda de um vestido de noiva, detalhes de um bolo, etc.).


ATENÇÃO: Essa técnica só deve ser executada se você estiver fotografando em RAW. Se tentar fazer isso usando JPEG, é bem provável que sua foto seja prejudicada, sem possibilidade de recuperação.

243 visualizações0 comentário