Canon e Nikon Lançam suas Primeiras Full Frame Mirrorless.

Atualizado: 29 de jan. de 2021


Finalmente Canon e Nikon entraram para o mercado de MILC – Mirrorless Interchangeable Lens Camera (câmera de lente intercambiável sem espelho). Em 23 de agosto de 2018, Nikon anunciou dois modelos: Nikon Z6 e Nikon Z7. Canon, por sua vez, anunciou no dia 5 de setembro do mesmo ano apenas um modelo: a Canon EOS R. Esses lançamentos marcaram a estreia das duas gigantes no mercado de câmeras mirrorless full frame, antes explorado exclusivamente pela Sony.


Nikon apresentou duas câmeras que, apesar de semelhantes em muitos aspectos, possuem diferenças chave entre si. A Nikon Z6, com seu sensor de 24 MP, melhor desempenho em ISO alto e maior velocidade de disparo contínuo, pode ser considerada uma câmera de propósito geral, podendo seu uso ir desde fotografia de eventos, esportes, retratos, viagem, até fotografia de paisagens. Já a Nikon Z7, com seus 45 MP pode ser considerada de uso mais específico, como paisagem e estúdio, por exemplo. O preço entre as duas também é um grande diferencial, podendo, por si só, fazer algumas pessoas escolherem a Z6, que custa US$ 1.999 (só o corpo), ao invés da Z7, que custa US$ 3.399 (só o corpo). As diferenças e semelhanças de especificações técnicas (specs) entre os dois modelos podem ser vistas na tabela abaixo.



Para acompanhar a Z6 e Z7, a Nikon lançou três lentes: Nikon Nikkor Z 35mm f/1.8 S, Nikon Nikkor Z 50mm f/1.8 S, e Nikon Nikkor Z 24-70mm f/4 S. Além das lentes, também foi lançado um adaptador (Nikon FTZ Mount Adapter) para usar as lentes antigas (baioneta F) na nova baioneta Z. Abordaremos a baioneta Z com maiores detalhes em outro artigo, mas, por enquanto, posso adiantar que sua largura maior em relação à baioneta F, e sua maior proximidade do sensor, proporciona a fabricação de lentes menores e mais leves, e de lentes com aberturas máximas tão grandes quanto f/0.95.


A Canon decidiu lançar apenas um modelo: Canon EOS R. Possuindo como destaque um sensor de 30 MP, tela totalmente articulada e custando US$ 2.299, tanto preço quanto specs posicionam essa câmera entre a Nikon Z6/Sony A7III e a Nikon Z7/Sony A7RIII. Abaixo segue uma lista com as principais specs da EOS R:

  • Sensor full-frame de 30 MP com autofoco Dual Pixel;

  • Visor OLED de 3,69 milhões de pontos;

  • LCD traseiro totalmente articulado;

  • Sistema de foco classificado para operar em -6 EV (com lentes f/1.2);

  • Disparo contínuo máximo de 8 qps (5 qps com foco contínuo);

  • Vídeo 4K 30p com um recorte de 1,8x do sensor;

  • Perfil Canon Log (10-bit 4:2:2 pelo HDMI ou 8-bit 4:2:0 interno);

  • Carregamento pela porta USB.

Junto com a EOS R, foram lançadas quatro lentes: Canon RF 28-70mm f/2L USM, Canon RF 50mm f/1.2L USM, Canon RF 35mm f/1.8 Macro IS STM and Canon RF 24-105mm f/4L IS USM. Como podemos ver, trata-se de uma seleção um pouco mais diversificada e um pouco maior que a da Nikon. Assim como a Nikon, a Canon lançou um adaptador para usar lentes EF na nova baioneta RF.


Analisando esses lançamentos, eu considero as ofertas da Nikon mais interessantes. Sim, é verdade que as lentes trazidas pela Canon impressionam mais, porém, do ponto de vista prático elas não são assim tão vantajosas, já que são inacessíveis para muitos de nós entusiastas e iniciantes. Certamente uma 28-70mm f/2 é de deixar o queixo caído, mas sinceramente, quantos iriam querer comprar uma lente tão cara para acompanhar sua primeira full-frame mirrorless? Não sei vocês, mas eu prefiro não estourar o orçamento logo de cara. Por isso simpatizo muito mais com a seleção da Nikon, que dá a opção do fotógrafo comprar três lentes pelo preço de uma dessas da Canon (até menos, a depender da lente).


Também considero o lançamento da Canon frio por parte da câmera em si. Com medo de canibalizar sua linha de câmeras de cinema, a Canon decidiu oferecer com a EOS R um vídeo 4K com um recorte absurdo de 1,8x. Além disso, talvez tentando trazer alguma inovação ao mercado, Canon colocou em sua câmera um dispositivo touch que até agora não emplacou, fazendo muitos estranharem e/ou não enxergarem uma verdadeira utilidade para ele. Entretanto, existem algumas coisas muito boas na EOS R que valem a pena mencionar, como o mecanismo de proteção do sensor, por exemplo, que fecha o obturador toda vez que uma lente é removida.


Nikon, em minha opinião, trouxe um lançamento muito mais balanceado, com opção de câmera para quem quer média ou alta resolução, para quem tem o vídeo como prioridade ou não, e com uma boa e acessível seleção de lentes. Aliás, a seleção de lentes já aumentou, com o anúncio da Nikon Nikkor Z 14-30mm F4 S em janeiro desse ano. Além disso, a Nikon já anunciou uma atualização de firmware que será responsável por trazer a função eye AF (foco em olhos) e vídeo RAW. Tudo isso torna o lançamento da Z6 e Z7 muito mais interessante.


Enfim, as duas grandes fabricantes entraram na briga pelo mercado de mirrorless full-frame. Para permanecerem competitivas, Canon e Nikon passarão a investir cada vez mais em pesquisa e desenvolvimento, trazendo novas lentes e novas câmeras com o passar dos anos. Canon, Nikon, e mais recentemente Panasonic (mais no próximo artigo), passam a competir com a Sony por uma fatia do mercado. Essa concorrência só traz reflexos positivos para nós consumidores, que teremos não só mais opções de compra, como também novas tecnologias à nossa disposição.


E você, o que achou dos lançamentos da Canon e Nikon? Compartilhe sua opinião nos comentários.

771 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo